Zen

O que poderei dizer no exato momento em que finalmente saberei tudo? Os inteligentes julgam os loucos, loucos, e, os loucos pensam que os inteligentes são os tiranos que os aprisionam. Ser louco é ter inteligência suficiente pra saber que ser inteligente é burrice. Como sempre deve suceder, abençoados os que nada sabem porque deles será o mundo sem véus.

Queria experimentar o sabor de uma vela aromática de baunilha. Queria que esse sabor fosse a minha paixão se espalhando pelo ambiente. Pois eu sou: chama; sou a chama que vive. Brilho que ilumina e deseja dar o melhor de si, o melhor de seu aroma, o melhor do seu sabor, o melhor de sua essência, enfim.

Sê como a luz, mas nunca esqueça de você quando ela não está em ti. Muito tempo atrás uma estrela surgiu. Ainda vemos sua luz, em pesar por um lado ela não existir mais, sua luz ainda chega até nós e segue adiante, por outro.

Penso no sorriso daqueles que se foram e ainda emitem suas luzes em mim.

Anúncios

Eu sou rio

Eu sou o que sou e pronto. Eu sou o que sorrio. Sou o que só ri. Sou o que sou e pronto. Atestado isso em mim, também constato que posso ser outros, mas que também os outros só podem ser os outros. Então, eles mesmos sendo eles mesmos, só poderão ao longo de suas estranhas vidas serem estranhos e alheios para minha maneira de ser, que muda sempre, e reciprocamente assim se dá tão módico fato.

Presto atenção nas árvores, nas montanhas, em como nosso pensamento esbarra em querer pintar telas com a tinta que carregamos dentro de nós em determinado momento de nossas vidas. Que sou eu se não eu mesmo? Tantas pessoas passam e o sol é ainda o mesmo. Ainda não inventaram outros sois.

Quero sorrir, mas o que sou não permite. Aquela frase de felicidade quero que lha deis a quem merece. A paz, a poesia, desejo que as rasgue e comece a guerra: para com tudo isso faça uma bola de papel e jogue no lixo. A guerra é presente e a paz não é reciclável. A poesia corre no meu sangue, pois a vida é sempre da cor de arrebóis.

Eu sorrio
sou rio
só rio

com você quero
rir do que sou
teu riso espero

sou o rio
mas em você navego
eres meu porto

seguro cais
caminho puro
de imensa paz.

Elevação

Como podemos mostrar com o nosso corpo as coisas que nós admiramos? Tatuando. Pode ser que o que está na pele reflete a alma da pessoa tatuada. As pessoas tatuam aquilo que as eleva.

Se tenho um coração, uma estrela, uma nuvem, um nome, uma frase, enfim, tatuar como quem deseja sentir perene em sua pele o símbolo daquilo que a imagem representa. O corpo seria uma tela em branco na qual colocamos aquilo que acreditamos nos representar na forma de símbolos.

Nunca, em pesar os símbolos que elevam, lindos, nosso corpo é a marca  mundo com que  mundo nos marcou.

View this post on Instagram

A chuva cai mansa lá fora E torrente lava-gente A gente e o imanente dentro da gente O impermanente; o permanente dos cabelos – tentáculos em todas as direções Fã obsoleto Raio que corta e mata E chuva mansa na mata A fruta que brota no meu quintal O hóspede , o visitante que a come, que cospe , que afaga e que arranca O perto, e de tanto medo do perto; o longe Ou tão tão longe de tão perto Cabaça canoa , taça que leva essa água corrente é o meu corpo Pedra dura e lisa, gosta de ser alisada Pedra-dor , predador de mim mesma Garganta profana e profunda Quer lamber todos os potes até chegar ao néctar… Eu , como uma uva -passa , serei eroticamente lambida dos pés à cabeça Um sopro tesão dessa criação! #poema #livro #poesia #amo

A post shared by Leticia Spiller (@arealspiller) on

 

Instantâneo

Que a todo momento fique registrado apenas o que for bom. Desejo profundamente que as pessoas saibam ler. Quero que entendam que quando digo instantâneo quero dizer que se deve registrar o momento. Sejam palavras, imagens, sons, vamos deixar registrado na memória como num instantâneo, as nossas melhores recordações, nossos melhores auto-retratos.

O dia é instantâneo, simplesmente acontece. Da mesma forma nós também simplesmente acontecemos, mas não sabemos o nos deu ou causou em nós o impulso de acontecer.

***

Hoje deixo, a seguir, a playlist de Janeiro de 2018, a última, pois ninguém comenta em pesar curtirem alguns, outros nem estão aí pro que digo ou até tentam copiar e colar, mas se isso sucede, não conseguem falar por si mesmos, nem por mim. Dizem por aí que muitos textos são atribuídos à escritores famosos, mas sem comprovação. Mesmo que Camões esteja escrevendo até hoje, Chopin esteja compondo ou qualquer outro famoso de qualquer área em que se tenha destacado, quero dizer que aquele que deseja criar algo destaque antes a si mesmo.

Deixo, enfim, ao final, um vídeo com a música heart is a melody of time de Pharoah Sanders, que não encontrei no Spotfy.