Elevação

Como podemos mostrar com o nosso corpo as coisas que nós admiramos? Tatuando. Pode ser que o que está na pele reflete a alma da pessoa tatuada. As pessoas tatuam aquilo que as eleva.

Se tenho um coração, uma estrela, uma nuvem, um nome, uma frase, enfim, tatuar como quem deseja sentir perene em sua pele o símbolo daquilo que a imagem representa. O corpo seria uma tela em branco na qual colocamos aquilo que acreditamos nos representar na forma de símbolos.

Nunca, em pesar os símbolos que elevam, lindos, nosso corpo é a marca  mundo com que  mundo nos marcou.

A chuva cai mansa lá fora E torrente lava-gente A gente e o imanente dentro da gente O impermanente; o permanente dos cabelos – tentáculos em todas as direções Fã obsoleto Raio que corta e mata E chuva mansa na mata A fruta que brota no meu quintal O hóspede , o visitante que a come, que cospe , que afaga e que arranca O perto, e de tanto medo do perto; o longe Ou tão tão longe de tão perto Cabaça canoa , taça que leva essa água corrente é o meu corpo Pedra dura e lisa, gosta de ser alisada Pedra-dor , predador de mim mesma Garganta profana e profunda Quer lamber todos os potes até chegar ao néctar… Eu , como uma uva -passa , serei eroticamente lambida dos pés à cabeça Um sopro tesão dessa criação! #poema #livro #poesia #amo

A post shared by Leticia Spiller (@arealspiller) on

 

Anúncios

Onde estamos no mundo?

Me lembro de sempre estar no deserto quando vou pra qualquer lugar aqui no Rio de Janeiro. Cada pessoa parece ser um grão de areia e uma multidão uma duna. Nunca fui pro deserto, pois parece que ele está em cada um de nós. Penso que na verdade nem é preciso irmos para estarmos em algum lugar. As vezes podemos estar no coração de alguém e talvez nem nos demos conta disso. Outras vezes outras pessoas podem estar querendo estar em nosso coração para talvez um passeio turístico permanente.

***

A minha primeira coleção de gibis começou com um do Tio Patinhas. Tive muitos gibis: Pato Donald, Mickey, Zara, Zé Carioca, Ford, Fantasma, Calças Jeans Surrada De Tanto Usar, Coração Partido, Eu, Solidão, Vazio Existencial, O Menino Maluquinho, Literatura Comentada sobre Castro Alves, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, e Monteiro Lobato, Almanaque Da Turma Da Mônica, Capitão América, Urtigão, Recruta Zero, Certas Revistas, Outras Coisas & Muito Mais e Cia.

Enfim, até hoje sem grandes amores, mas somente aquelas paixões de rua momentaneas que duram alguns segundos ou minutos ou até o momento em que a pessoa desce do ônibus e da sua vida. Outras sempre entram nesse coletivo da vida diária … Pegamos-lo sem saber pra onde ir ou pra onde vai? Não parece que nos é dado a opção de perguntarmos ao motorista. Essa última frase poderia ser uma letra de música? De que cantora (pensei em cantora)? Acho que da Ana Carolina, certamente.

***

Hoje deixo um vídeo da Dani Noce que mostra um pouco Route 66. Abaixo deixo um mapa e o vídeo em seguida.

 

As indefiníveis certezas

Queria explicar-me aos homens primeiramente. Na verdade é melhor  que nos expliquemos a nós mesmos para que assim saibamos que a verdade está conosco. Dizer-nos e explicar-nos e tarefa difícil. Só nós sabemos o que somos e darmos satisfação de nós, sobre nós e algo tão impossível quanto querer abrir uma janela o olhar o futuro, depois-fechá-la e nos retirarmos para o conforto de um mundo fechado e dizer na paz de um silencio aterradoramente solitário: ele, o futuro está lá, me esperando.

Queria explicar-me com facilidade. Com aquela facilidade que como as coisas são. Ainda nem decifrei-me e ainda tento, ainda tentamos, todos nós, decifrar-nos. Dizer a verdade do papel do personagem da vida real é tão difícil. Apenas sei sou, sabemos que apenas somos. Sou como os outros? Somos os outros? Somos como os outros? Somos como os outros dos outros?

Com que palavras poderíamos dizer-nos com verdade quem somos? Quais palavras definiriam o que somos? Será melhor nem definir? Indefinir, talvez seja bom? Assim, conosco estaria  em nós a busca por ser, essa sim seria uma definição não limitante.

Como círculos num espelho d’água

Hoje falarei de um assunto que ainda não parece ser levado muito a serio. O tema centros de energia no corpo humano pode ter seu fundo de verdade pra alguns e pra outros pode se tratar apenas de pura fantasia resultante de uma imaginação muitíssimo fértil. E voces o que acham? é verdade? Não é? Comente e diga a sua opinião!

Falei neste post sobre como as coisas no mundo parecem sempre tender para as formas circulares. O nosso sistema sanguíneo por exemplo, percorre todo nosso corpo levando e trazendo o sangue com seus nutrientes e sempre está em constante movimento e renovação. Talvez por isso se chame também de sistema circulatório que à maneira de um círculo esticado seria a prova de que tudo na natureza percorre circularmente caminhos que se exprimem fisicamente em ciclos.

Muito já devem ter ouvido da expressão “tal pai, tal filho” e também aí não é diferente a história. Como um pai ou uma mãe eram quando jovens os filhos tenderiam a ser como seus pais foram. Há aqueles pais e mães que veem seus filhos de uma forma quase incompreensível e nem sabem o porquê de seus filhos serem tão diferentes dos pais. Lembremos que o nosso DNA possui uma forma de espiral.

Li em algum lugar que em nós habita certos centros de energia denominados Chakras que por sua vez significaria “roda”, “giro”, ou “círculo”. São conhecidos popularmente algo em torno de sete desses centros energéticos no corpo humano, mas já vi também em outras fontes que na verdade o números de centros energéticos no corpo humano pode chegar a  mais ou menos oitenta mil centros de energia com cores e finalidades diferentes no nosso corpo.

Nem mencionei a aura e as formas-pensamento que nos levariam a estender esse assunto num outro nível de entendimento. Em todo caso, tudo que acontece fisicamente com nosso corpo pode ter origem nas manias, ou imagens mentais que criamos e grudam na nossa aura transmitindo para o Sistema Nervoso Central e acarretando o surgimento dos mais variados sintomas de doenças psíquicas e físicas, porque tudo começa, como já falei anteriormente em outro post, no pensamento.

O pensamento doentio e o vicioso acaba produzindo uma espécie de miasma que tomaria a forma de pequenos insetos ou pequenas massas de nuvem de matéria deletéria que sugaria a energia vital da pessoa cansando-a até o esgotamento moral e espiritual. Por esse motivo muitas pessoas aparentemente bem fisicamente se sentem como se estivessem cansadas e as causas desse cansaço não é nada mais do que pensamentos carregados que acabam por sobrecarregar a própria pessoa.

Mudando de assunto, pode acontecer de não nos reconhecermos nas nossas próprias obras. Se fazemos uma obra de arte poderemos nos encontrar nela? E se fizermos a guerra também aí nos acharemos? Também nas relações sociais tudo parece ser um ciclo: recebemos o que damos e, tudo o que somos, devemos aos que indireta ou diretamente ajudaram a nos formar enquanto seres sociais.

Assim, como círculos que se formam num espelho d’água causada pelo impacto de uma pedra, por exemplo, somos nós a estender nosso campo de ação e influência conforme pensemos de acordo com tal ou qual maneira.

 

Obra prima

Quais pensamentos Leonardo da Vinci pensava? Acredito que por agir em muitas áreas ele pode ter desenvolvido a capacidade de estar além do seu tempo e certamente pode ter materializado o futuro com todas a suas obras.

E o futuro? Atualmente a solidão e a melancolia dos mais velhos, sábios e abandonados teria encontrado espaço na tecnologia. A tecnologia que teoricamente deveria vir como ferramenta para unir pessoas, acaba sendo um mecanismo que torna até a solidão em bem de consumo. Ah, e atualmente isso é considerado moderno.

Enfim, desejo que abracemos os amigos, amemos nossos amores que artes maiores que essas nunca foi nem será superada por nenhuma tecnologia. Tecnologia que sempre torna obsoleta somente a si mesma.

***

Sem mais delongas, a imagem a seguir mostra algumas figuras de telas famosas como se fossem personagens de uma série de tv -norte americana.

24993453_1147189072077936_6917631356058064529_n

A imagem acima encontrei no grupo da Vivi eu vi no facebook (link pra participar no grupo). Devo deixar claro que não estou fazendo propaganda, assim como todos os vídeos que tenho colocado ultimamente são de canais que eu assisto e gosto muito e também venho usando pra complementar o que escrevo aqui no blogue.

Esse grupo é muito interessante e as pessoas participam massivamente com muitas sugestões, imagens engraçadas relacionadas a arte como a imagem acima, e vários assuntos em que a arte está sempre presente. Espero que gostem!

Pra terminar deixo um vídeo da Vivi falando sobre Leonardo da Vinci.

Realidade aquarelável

Uma coisa que me chama a atenção nas aquarelas é a plasticidade das cores. Nada se parece mais com o nosso mundo interior como as pintures criadas com essa técnica. Escrevi, melhor dizendo, digitei errado a palavra pintura, pensei em apagá-la mas percebi que parece uma aglutinação mal feita das palavras pinturas e pictures, deixei  assim porque aqui, mon ange, o subconsciente é quem manda.

Abaixo a ilustração é de Lora Zombie e amo muito toda ela. Essa ilustradora Russa foi um achado incrível pra mim. Ela une crítica, subconsciente e outros elementos das técnicas em aquarela com alguns detalhes que só tinha visto em formato vetorial.

Falando nisso depois irei em outro post falar sobre a diferença entre escrever e digitar, e entre pintar com as mãos e pintar com ferramentas e softwares específicos.

A garotinha na figura abaixo diz: “ama tudo isso agora?” enquanto o personagem símbolo da marca vomita.

Os personagens Disney possuem uma aura sinistra. São tão bem elaborados que ficamos pensando se eles existem em algum mundo paralelo ao nosso. Mesmo que o mundo real seja um inferno, a infância da atualidade ainda recebe a oportunidade de adultos e crianças serem crianças.

O herói americano salva o mundo, ou o dissolve em ruína e morte? Não se constrói um império sobre caveiras. O herói aqui representado por Mickey celebra a guerra pela infância, ou a infância estaria sendo morta? Diante de uma bandeira em frangalhos num ambiente mórbido e tóxico o mundo infantil estaria mascarado? A felicidade seria fábula? Pelo menos por enquanto entre bombas e corrupções,  no nosso pobre mundo real, ninguém é feliz pra sempre.

 

mickey

Abaixo, na imagem, pensei que era o Freud sendo beijado por gansos, mas na verdade parece que é Tchaikovsky, talvez uma referência a sua obra Lago dos Cisnes.

Quanto aos gansos ou cisnes, pelo menos pelo Google tradutor, swan significa cisne, tanto em francês quanto em inglês. Me levando a pensar No caminho de Swan,  de Proust, que por sua vez no caminho do cisne, ou no caminho do poeta, que seria uma outra significação para essa palavra. Proust em no Caminho de Swan, coloca um personagem que parece sentir a falta do beijo da mãe, sentindo ciúmes dela porque outra pessoa está competindo ou impedindo que ela tenha o beijo de boa noite da mãe só pra ele.

Repare que dois gansos colocados de frente formam um coração, a criança em Proust estaria sem a sua metade no amor e o caminho escolhido por Proust é o do poeta: curvo, com ondulações, nunca indo direto ao ponto, por mais que a objetividade seja direta ela nunca será mais direta que a subjetividade do poeta quanto mais ele não diz as coisas como elas são, mas como elas estão dentro de si, culminando em flores no momento do chá, imagem que lembra muito as coisas das imagens pintadas em aquarela, plasticidade  que parece ser elevada ao praticamente infinito nessa forma da pintura.

Essa daí a seguir não tem como não rirmos dela. Todo mundo parece gostar de zoar um pouco o Homem-aranha. E se você for parar e pensar, ele baila nos arranha céus ao som da música tema: Spider man. Imagine ele soltando teias e com aquele saiote de bailarina. Aliás, imaginem ele saltitando entre os prédios com a música  tema  dele no ritmo de Lago dos Cisnes.

Enfim, para a ilustração abaixo dei o nome de “Homem-bailaranha”. Acho engraçado a maneira com que zoam e fazem memes com ele.

Na figura de baixo está escrito: “Todos os seus amigos são falsos”.

 

O que devemos pensar do conceito de amizade hoje em dia? Os amigos são aqueles que se fazem presentes, mas não devemos enlouquecer achando que eles, e nem mesmo nós, devemos ficar grudados o tempo todo um no outro.

Amigos são presentes? Brinquedos não são. Alguns seriam os pequenos ursinhos amigos de urso na vida da gente e nós é que acabamos virando brinquedos nas mãos de muita gente. Amizade e gente não são brincadeira.

Amizade é coisa rara. De certa maneira ela pode ser cultivada em toda parte. Uma maneira de conseguirmos bons amigos é sermos sempre honestos, enfim, verdadeiros e, claramente devemos ter nossa privacidade, mas isso já é assunto pra outros debates. Precisamos ser de verdade pra nós mesmos e não a verdade que os outros criam sobre nós.

“Não lhe direi as razões que tens pra me amar, pois elas não existem. A razão do amor é o amor.” O pequeno príncipe.

Eu chamo essa imagem de “Amy Paintyhouse” de brincadeira com o nome dela. A cantora talentosa nos deixou a voz como uma estrela que mesmo após ter se extinguido ainda deixa sua luz chegar em lugares distantes de nossa alma.

Coisas incríveis acontecem bem perto de nós e nem percebemos que a maior pesca que pode haver na vida é a tentativa.

Seria uma mancha com uma forma feminina ou seria uma menina atrás do lençol realmente? No entanto é só um desenho. Mas o que os olhos veem é sempre a realidade?

“Olá senhor bosta”; “Olá, bosta de fotógrafa”. Esse seria um daqueles momentos em que a coisa desenhada (a bosta) coisifica a personagem humana figurada na imagem de uma menina com uma máquina de fotografar?

 

Quando estamos tristes a nossa imaginação é o que resta para sairmos de momentos difíceis. Sejamos imaginativos de maneira que para cada não que a vida nos dê, criemos vários sins.

A nudez humana consiste em ser livre pra voar e se adaptar aos fios da modernidade.

O ateliê do artista é a sua colmeia e sua arte o seu mel. Operárias são todas as suas inspirações e a rainha a sua ideia materializada na obra de arte que vier a produzir.

Essa é a Mulher Maravilha sendo humana. A maravilha da Mulher Maravilha é que na imagem ela está descontraída mostrando seus super poderes de fazer caretas como toda criança. Ainda que os super-heróis sejam incrivelmente fortes ficcionalmente suas características humanas são o que talvez mais fortemente encanta adultos e crianças.

E, para terminar, deixo a seguir algumas imagens da autora das ilustrações que apresentei acima.

Lora e seu catiorineo.

Lora e seu vestidineo de pilulas.

Lora, passarineo e ratineos.

 

 

 

 

 

 

No começo era o choro …

Cuidar é uma coisa difícil. Parece difícil porque para aqueles que desejaram ser papais ou mamães a impressão que dá é que tudo parece difícil. Isso pode acontecer por causa da ideia enraizada de que adultos sabem tudo, mas não é bem assim que as coisas se dão na vida.

Por mais adultos e amadurecidos que as pessoas possam ser ou se tornarem, a vida mostra que sempre temos algo a aprender com o outro, porque o outro, e só ele, possui os meios de poder proporcionar a nós determinado aprendizado específico.

AmamentandoSabrina-OK2

Cuidar de crianças seja ela um filho biológico, ou não, é uma experiência única e faz com que o adulto com o passar do tempo só possa aprender a cuidar de um filho tendo um. Ter um filho pode ser um caminho que nos leva a entendermos que as crianças nos ensinam que coisinhas pequeninas têm vida própria e muita vez não podemos entender os sentidos de suas linguagens, eles, porém, conforme crescem também percebem que o mundo não é um conto de fraudas, digo, fadas.

QuartoNoite

Como todos sabem que cuidar de crianças é um trabalho manual, artesanal e sempre é preciso muita sensibilidade nas mãos dos artistas que precisam cuidar da casa ou sair para prover o melhor material para o desenvolvimento de seus futuros artistas, que nem sabem o que é arte e já fazem com maestria a arte digna do mais louco e bagunçado ateliê.

GarotaSaia-Cinza

Então os pais percebem que os seus filhos possuem fases, não como as da lua, mas talvez como a das flores. Crianças já nascem florindo o mundo e, enraizadas no seio familiar, um dia alguém achará uma de nossas flores e irá querer arrancá-la de nós. Um dia os pais precisam saber deixar seus filhos irem, pois ser pai é saber que nossos filhos são para o mundo e não somente nossos. Eles criarão asas como flores aladas e semearão outros caminhos e seguirão um dia suas próprias vidas.

Falei acima das fases, a adolescência, por exemplo, o que fazer com ela? Talvez seja numa dessas fases que os pais se sintam padecendo no paraíso, apesar de saber que o cardápio para padecimento de pais é enorme e ninguém iria ou irá querer estar na pele deste ou daquele pai ou mãe. Cada um recebe da vida aquilo que ela dá. Não se deve pensar nos filhos como castigos, mas como aquilo que foi possível ter. O mesmo se dá do ponto de vista de quem é filho.

Personal-Cactus

Para um jovem as vezes as coisas, o mundo, as regras não parecem fazer sentido e justamente por volta dessa época os hormônios atacam impiedosamente. É um dos momentos da vida que mais carecem de atenção. Jovens assim parecem funcionar como pequenas tempestades ambulantes num dia ensolarado. A conversa, sempre ela, deve ser usada como fonte paciente e refrescante num mundo cheio de incertezas e solidões. Nem tudo no mundo de hoje é solidão, porquanto ela pode inclusive ser percebida nas mais tumultuadas multidões. A solidão pode ser um momento de diálogo interior onde devemos fazer com que nos sintamos parte da natureza como plantas com raízes numa comunidade cultural.

Devemos nos lembrar de quem nem tudo possui seu lado ruim. Veja por exemplo os remédios amargos, tão eficientes quanto mais amargo é o seu sabor. Solidão não é ruim. É a vida solicitando a alma do jovem a refletir antes de errar. Sempre é possível aprendermos com o pensamento e não com a prática, pois pessoas não são experimentos científicos e operam num outro campo de gravidade diferente do de Galileu Galilei.

PersonalGarotaCogumelo

Enfim, o relógio do mundo na verdade nem existe. Se existe, num certo momento todos percebem que se lê histórias para colocar os filhos para dormir e, depois percebem que eles não dormem mais porque querem continuar acordados lendo.

 SabrinaEras-Work-035

Esse nosso mundo é mesmo uma fábula, não é mesmo?

As ilustrações são de Sabrina Eras, ilustradora do interior de São Paulo.