Algumas dicas de desleitura

Quando falo as pessoas nada dizem e calado elas não existem.

Por Blog Fanzine Marginal

Antes de começar quero dizer. Quero dizer que quero desdizer e dizer que uma leitura nunca termina com a última página, muito menos com desfecho da história. Um livro, ainda que inacabado, estará completo em toda sua estrutura orgânica pra passar a mensagem desejada.

Dica número um: leia de tudo. Gostar de ler tudo é complicado, mas ao longo de uma vida uma pessoa adulta já sabe do que gosta de ler e pode se conhecer tão bem como leitor a ponto de saber os seus próprios limites “sobre o que ler de tudo”  possa significar pra si.

Dica número dois: ler pouco, mas com total compreensão do que se lê é fundamental.

Dica número três: saiba buscar a essência de cada obra lida. Saber identificar referencias e paródias entre outras obras podem e serão percebidas pelo leitor que aos poucos aprende que um livro já lido pode ter semelhança com outros. Enfim, cruzar informações entre obras literárias é um bom exercício pra quem gosta de ler e escrever.

Dica número quatro: um livro nunca está acabado com o fim da leitura ou porque a obra em si não foi terminada pelo autor. Muita vez um livro inacabado, como O Processo, de Kafka pode ser o resultado de toda uma vida. A materialização das hipóteses e teses de uma vida podem ganhar os moldes literários com o motivo que só quem escreve sabe o que sente e sabe que necessita dizer quase como um desabafo, uma denúncia, como uma ciência de fatos históricos ainda por vir e que só um autor de sensibilidade pode transformar em artefato artístico.

Dica número cinco: tente se perguntar sempre se você realmente entendeu o que leu, pois quem escreveu viveu sua escrita e elaboração do próprio texto literário que criou.

A seguir deixo um vídeo da Carmem Lúcia, do blog O que vi do mundo falando sobre Franz Kafka.

Anúncios

Tinha uma página no meio do caminho

Sempre tive vontade de falar sobre os livros que leio. Então resolvi dedicar um blogue somente a isso. No Livrolescente falarei  das minhas leituras bem do meu jeito, afinal são minhas leituras e já tenho em mente como fazer. Espero que fique bom.

Falta agora ler bastante e terminar muitos livros que comecei a ler e não terminei. Não sou bom em resenhar, acredito que nunca resenhei, mas vou tentar mesmo assim. Vejo vocês por lá! Nas próximas semanas já começo a postar as “resenhas”.

O mundo que pode ser lido

Atualmente vivemos numa explosão de publicações de livros de todos os tipos. Muitos autores, muitas editoras e provavelmente, porém, nenhum novo clássico.

Quantidade não significa qualidade, mas todo mundo gostaria de ter escrito pelo menos um livro na vida. O livro possui uma aura de respeito, de importância que nenhuma tecnologia atual conseguiu por enquanto substituir.

Curiosamente o livro enquanto objeto físico utiliza muito das tecnologias recentes sem perder sua característica de ser um objeto físico, de papel e que pode ser lido sem ligar numa rede elétrica.

Quanto ao conteúdo, os livros foram transpostos para aparelhos de leitura para aqueles que possuem muitas obras e desejam armazenar uma grande quantidade de informação num único e pequeno objeto.

Muitas obras importantes já foram escritas. O importante não é tudo que já foi escrito, mas ler aquilo que modificou internamente o leitor e o fez pensar de algum modo. Ainda que todos os habitantes do planeta escrevessem um único livro, ainda assim, ninguém conseguiria ler o livro que cada um escreveu.

Quantidade de livros lidos não significa qualidade. O importante é o acervo que conseguimos montar ao longo de nossas vidas. Mesmo que só tenhamos lido um único livro o mundo já está descoberto e desvendado em todos os seus mistérios. O importante é sabermos que nada sabemos, e que, aos poucos, os dias que passam são como folhas de uma nova página das nossas vidas. A leitura, a escrita e a vida são coisas únicas e subjetivas.

A seguir deixo dois vídeos do que considero o melhor canal literário até o dia da postagem deste post.

Carmem Lucia é bibliotecária e também é formada em letras. As suas leituras são substanciosas e com argumentos certeiro, capta a verdade de cada obra que lê. As suas resenhas são riquíssimas e recomendáveis para aqueles que querem aprender a fazer as suas.

Inicialmente queria deixar somente o vídeo dela falando sobre o livro Grande sertão: veredas, mas depois ao assistir o vídeo em que ela fala do Banquete, de Platão, achei que esses dois livros podem ser estudados comparativamente, na minha opinião parece haver uma relação entre a obra de Guimarães Rosa e a de Platão e certamente entre várias outras também.

 

Literatura em movimento

Muito mais do que só para entreter a literatura também é uma forma de conhecimento. Digo isso por acreditar que muitos esquecem desse pequeno detalhe. Que a ficção seria uma espécie de pacto entre escritor e leitor de que o que está escrito não é real e ainda que seja, ninguém duvida, mas quando mencionamos a Literatura como ciência, com L maiúsculo, aí a história é bem diferente.

Hoje vou deixar aqui um vídeo de um canal que estou adorando acompanhar. O Abstração Coletiva. A seguir deixo um vídeo da autora do canal falando sobre o livro Cobra Norato, de Raul Bopp.

Sobre a autora do canal, não consegui muitas informações, mas vale a pena conferir. Ela fala super bem no vídeo e fala do começo ao fim calminha, sem cortes de edição dando informações relevantes sobre a leitura do livro e a resenha feita por ela flui naturalmente.