In tenção

 

Ali, uma pintura se contorce,
a escultura se aprimora e não quebra,
pois a tensão é o momento que a arte intenciona exprimir.

Parte da arte embate, não quebra e volta, e dança num ritmo
alucinante que não acaba.

A dança expressa na tensão,
essa é a intenção que todo artista
tenciona dar ao seu corpo artístico,
tensionado,
num momento intencionado.

Imagem: David Hofmann on Unsplash, “Juliet is a very dedicated hard working dancer. Her flexibility is just stunning.”

 

Anúncios

Ser é estar

Então é mais uma sexta-feira e tudo vai bem. Experimentar conviver e não só viver é algo difícil nos dias de hoje. Seja como for, a vida é bela, nossos colegas de trabalho são umas figuras e o que importa é estarmos onde queremos, sempre, pois sorte maior não há do que seguirmos o caminho ditado pelo nosso coração.

31925011_1766522280057552_7069973411434332160_n

Aleatório

Em algum lugar estarei, em algum lugar estaremos, pra algum sem-norte ou sem direção vamos ou iremos, enfim não sabemos. Se digo que vou, vou só com palavras, me despenco do abismo do tempo e caio em lugares  que não se pode compreender sem que estejamos munidos do vazio.

Que pensar em ir já é num só tempo estar lá? Que sentir é apenas a negação, uma barreira que nos impõe asas e mais imaginação pra sermos do que o próprio fato de aceitarmos o fato de que já somos algo mesmo antes de pensarmos em querermos ser algo.

Restam dúvidas no mundo porque não se contorcem com o seu todo de dentro. O todo de dentro de todos está cada vez mais oco. Não falam, não comunicam uns com outros, e tudo é confusão. Não descobriram que falar é falar mesmo não falando e, até mesmo se não estamos falando, não estamos falando, oras bolas.

Descobriram o óbvio: estamos solitários no universo, por isso preenchem o mundo, o nosso planeta com bilhões de pessoas solitárias pra que a solidão se torne ainda maior. Se pudessem entender que há uma música e uma dança, que a fala é já a necessidade sendo suprida e que todos os excessos são o desperdício do vazio sagrado que sentimos e nos impõe querermos o outro ao lado, não distante mesmo que assim pareça.

 

Abissal

Começar a escrever é como existir em vários lugares ao mesmo tempo. Nunca estive em tantos lugares quanto aquele, e só aquele livro bom, pode me levar. Pode ser o coração, a razão, só um breve pensamento … A verdade, é ela, que não me sai da cabeça, sigo em sua busca sem alcançar, nem palpar nada … Apenas sinto o progresso lento de alguém a meditar sob o topo do Kilimanjaro sob o topo do Himalaia e a imaginar saltar dessas alturas e sentir a sensação real de voar e aterrissar num jardim edênico cheio de maravilhas.

O perfume das flores emanado cada vez que penso, as aquarelas siderais de estrelas, o raio energético correndo nas veias luminosas d’alma como o prisma que transfere suas cores n’água e sem contar já sei serem sete as cores de beleza pura e natural. Sete vezes eu poderia criar o big bang, a criação, mas nunca poderia criar a revelação no olhar como tampouco o sentir estar, bem como o não estar sentindo, o existir por pensar e o pensar por existir.

Nós não existimos, emanamos essências do momento inicial. Assim a vida é uma explosão, o coração repete, bombeando nosso sangue, o momento da criação. A criação pulsa em nós. Só, nem mesmo assim sinto solidão. Acompanhado, me sinto só, por saber  que por vezes estou próximo daqueles que estão como antenas a transmitir mensagens para si; em cada mente e coração humanos vibram frequências tão mais subterrâneas quanto as lavas de vulcões ou as mais profundas regiões desconhecidas do nosso planeta Terra.

Imagem de Bali, Indonesia, by Bernard Hermant on Unsplash.

Eu sou rio

Eu sou o que sou e pronto. Eu sou o que sorrio. Sou o que só ri. Sou o que sou e pronto. Atestado isso em mim, também constato que posso ser outros, mas que também os outros só podem ser os outros. Então, eles mesmos sendo eles mesmos, só poderão ao longo de suas estranhas vidas serem estranhos e alheios para minha maneira de ser, que muda sempre, e reciprocamente assim se dá tão módico fato.

Presto atenção nas árvores, nas montanhas, em como nosso pensamento esbarra em querer pintar telas com a tinta que carregamos dentro de nós em determinado momento de nossas vidas. Que sou eu se não eu mesmo? Tantas pessoas passam e o sol é ainda o mesmo. Ainda não inventaram outros sois.

Quero sorrir, mas o que sou não permite. Aquela frase de felicidade quero que lha deis a quem merece. A paz, a poesia, desejo que as rasgue e comece a guerra: para com tudo isso faça uma bola de papel e jogue no lixo. A guerra é presente e a paz não é reciclável. A poesia corre no meu sangue, pois a vida é sempre da cor de arrebóis.

Eu sorrio
sou rio
só rio

com você quero
rir do que sou
teu riso espero

sou o rio
mas em você navego
eres meu porto

seguro cais
caminho puro
de imensa paz.

Instantâneo

Que a todo momento fique registrado apenas o que for bom. Desejo profundamente que as pessoas saibam ler. Quero que entendam que quando digo instantâneo quero dizer que se deve registrar o momento. Sejam palavras, imagens, sons, vamos deixar registrado na memória como num instantâneo, as nossas melhores recordações, nossos melhores auto-retratos.

O dia é instantâneo, simplesmente acontece. Da mesma forma nós também simplesmente acontecemos, mas não sabemos o nos deu ou causou em nós o impulso de acontecer.

***

Hoje deixo, a seguir, a playlist de Janeiro de 2018, a última, pois ninguém comenta em pesar curtirem alguns, outros nem estão aí pro que digo ou até tentam copiar e colar, mas se isso sucede, não conseguem falar por si mesmos, nem por mim. Dizem por aí que muitos textos são atribuídos à escritores famosos, mas sem comprovação. Mesmo que Camões esteja escrevendo até hoje, Chopin esteja compondo ou qualquer outro famoso de qualquer área em que se tenha destacado, quero dizer que aquele que deseja criar algo destaque antes a si mesmo.

Deixo, enfim, ao final, um vídeo com a música heart is a melody of time de Pharoah Sanders, que não encontrei no Spotfy.

 

Onde estamos no mundo?

Me lembro de sempre estar no deserto quando vou pra qualquer lugar aqui no Rio de Janeiro. Cada pessoa parece ser um grão de areia e uma multidão uma duna. Nunca fui pro deserto, pois parece que ele está em cada um de nós. Penso que na verdade nem é preciso irmos para estarmos em algum lugar. As vezes podemos estar no coração de alguém e talvez nem nos demos conta disso. Outras vezes outras pessoas podem estar querendo estar em nosso coração para talvez um passeio turístico permanente.

***

A minha primeira coleção de gibis começou com um do Tio Patinhas. Tive muitos gibis: Pato Donald, Mickey, Zara, Zé Carioca, Ford, Fantasma, Calças Jeans Surrada De Tanto Usar, Coração Partido, Eu, Solidão, Vazio Existencial, O Menino Maluquinho, Literatura Comentada sobre Castro Alves, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, e Monteiro Lobato, Almanaque Da Turma Da Mônica, Capitão América, Urtigão, Recruta Zero, Certas Revistas, Outras Coisas & Muito Mais e Cia.

Enfim, até hoje sem grandes amores, mas somente aquelas paixões de rua momentaneas que duram alguns segundos ou minutos ou até o momento em que a pessoa desce do ônibus e da sua vida. Outras sempre entram nesse coletivo da vida diária … Pegamos-lo sem saber pra onde ir ou pra onde vai? Não parece que nos é dado a opção de perguntarmos ao motorista. Essa última frase poderia ser uma letra de música? De que cantora (pensei em cantora)? Acho que da Ana Carolina, certamente.

***

Hoje deixo um vídeo da Dani Noce que mostra um pouco Route 66. Abaixo deixo um mapa e o vídeo em seguida.