Acréscimo de rombo ao déficit

Lendo hoje o jornal O Globo do dia 21/04/2015, na seção “Dos leitores”, pude ler algumas coisas interessantes como críticas, exposições de ideias e assuntos que renderiam bons debates, pois apesar de ser um jornal impresso o mundo atual nos disponibiliza outros meios de comunicação para que as interações aconteçam, basta que as pessoas queiram, porquanto a internet faz a comunicação mais rápida e também com maior divulgação e abrangência de acesso para todos.

Uma das coisas que me chamaram a atenção foi o fato de que uma carta dos leitores que trata de uma crítica dada ao título de uma matéria desse mesmo jornal, como podemos ler abaixo:

Déficit Petros

Apesar de a matéria do Globo (17/3) refletir nossas preocupações sobre as demonstrações contábeis da Petros, o título de capa, “Uso político agrava rombo de fundos de pensão” gera mais intranquilidade em vez de esclarecer a situação. A palavra “rombo”, segundo os dicionários, indica prejuízo. Mas não ajuda em nada para o entendimento do que está acontecendo com a Petros e os demais fundos de pensão. Seu uso no título da matéria de capa de um jornal de grande circulação só demonstra a falta de compromisso com a função maior do jornalismo que é esclarecer, dar transparência e jogar luz em assuntos de interesse da sociedade.

Ronaldo Tedesco e Silvio Sinedino

Conselheiros da Petros eleitos pelos participantes e diretores da AEPET – Associação dos Engenheiros da Petrobrás

___

Nota de redação:

Conforme os próprios conselheiros registram, a palavra “rombo” é sinônimo de “déficit”. Parece ainda mais adequada para dimensionar um prejuízo de R$ 6,2 bilhões.

Recebe uma explicação tão inocente quanto anêmica em malícia. Como se prejuízos de qualquer valor fossem causados pelos misteriosos “rombos”, entende o que quero dizer? O problema em casos assim não é o uso da palavra mais adequada a ser usada numa matéria de jornal, mas a verdade mais adequada a ser divulgada para o público sem risco para aquele que está informando. Ou seja, informar o jornal informa, mas ele deixa claro que por qualquer motivo não tem nada a ver com o fato informado.

A palavra “rombo” ajuda muito para a compreensão do que está ou estava acontecendo com a Petros e o uso no título da matéria no jornal de grande circulação, na minha maneira de ver as coisas, só demonstra o emprego de determinada palavra, em um determinado contexto em detrimento de outra, além de ser simples questão de escolha de palavras, na qual acredito ter sido o jornal muito pertinente nesse caso. O que poderia causar o não entendimento do que está acontecendo com a Petros não é o título de uma matéria de jornal, mas o motivo real desse prejuízo na Petros que eu poderia pensar se é a falta de nomeação de conselheiros que dão conselhos inclusive nas palavras de uma matéria de jornal ou se não estão querendo também ser consultores de língua portuguesa ao invés de se preocuparem com o rombo, com o valor financeiro que os números do rombo representam.

Eu diria para os conselheiros da Petros que deixem as questões de palavras para os professores de língua portuguesa que o problema da Petros é de números (será mesmo?). Precisamos de clareza nas exposições de ideias e transparência financeira para que possamos compreender melhor o que esses números significam e buscar meios de solucionar esse problema. É tudo que desejamos ver no nosso país que acreditamos caminhar para clareza de números, palavras e posturas políticas.

Até mesmo eu não escrevo muito bem, os meus textos são cheios de erros, períodos longos ou curtos demais, falta de concordância verbal e nominal, regência, e outros erros gramaticais imperdoáveis como a falta de pingos nos is não fosse o fato de que os is já são automaticamente pingados assim que digitamos no teclado e esse é apenas um ponto acima da letra, no caso, pingo em letra já seria outra coisa. Enfim, há não só na minha escrita, mas na escrita mundial um erro grave que é confundir correção gramatical com informação realmente pertinente para toda a sociedade.

Pensei nas palavras rombo, déficit, conselheiro e me pergunto o que elas significam para um problema financeiro. Será que a frase anterior era para ser concluída com interrogação ou sem? Devemos atentar para o uso dos pronomes? Interrogações e reticências: ? … Ponto final?

Sei lá, penso que escrever é um trabalho intenso de pensamento aliado a coisas do tipo onde devo colocar a crase? Na letra ou no pensamento que tento transmitir com palavras tão claras como conversar com alguém de maneira tão simples que as coisas se resumem apenas a questões de mera ortografia. No que diz respeito à política aí coloco crase e ainda assim com medo ou tédio de pegar numa gramática enquanto converso com o teclado do computador ou na frente de amigos qual é a importância do dizer quando o que se quer é o fazer? Vale mais, muito mais o erro, a tentativa, do que apenas trocar palavras, pois se concordo com o título da matéria apresentada acima no jornal, todos os leitores são capazes de tirarem suas opiniões.

Para terminar deixo aqui uma espécie de brincadeira com a última parte do poema de Drummond de Andrade, “Aula de português”:   O português são dois, o rombo (na Petros), mistério.”

Ou, melhor resumindo tudo o que disse acima, poderia dizer que concordo com o título dado à matéria e não gostaria que os políticos tivessem a mesma atitude que tenho na hora de consultar gramáticas e dicionários, pois independentemente de estarmos certos ou não no falar e escrever corretamente, pelo menos a tentativa de buscar a forma simples de dizer ou de conduzir uma instituição com clareza financeira já é um bom caminho inclusive para que os cidadãos, nós, vejamos que pelo menos estão buscando o caminho para solucionar os problemas que aparecem, até porque, brincando mais uma vez com frases famosas de autores de poemas também famosos “tudo vale a pena se o rombo não é pequeno”.

E para terminar mesmo, deixo aqui um comentário que fiz nesse blog  https://milpalavraspordia.wordpress.com/2015/05/23/inexistencia/ (só para deixar dois posts em um só):

O que você, no texto, parece desejar é não ser, mas é algo impossível pois não sendo por decorrência lógica desse pensamento, não ser acarretaria apenas ser novamente, só que de outra forma. É impossível não ser. Tudo possui uma essência, até mesmo o conceito de nada só é o nada por causa da noção culturalmente aceita de sua essência. Seja e você será, deseje ou des-seje e você continuará sendo. Ser é independente de etimologias, essências, palavras, filosofias ou metafísicas.

Anúncios

Ser é estar

Então é mais uma sexta-feira e tudo vai bem. Experimentar conviver e não só viver é algo difícil nos dias de hoje. Seja como for, a vida é bela, nossos colegas de trabalho são umas figuras e o que importa é estarmos onde queremos, sempre, pois sorte maior não há do que seguirmos o caminho ditado pelo nosso coração.

31925011_1766522280057552_7069973411434332160_n

Conduzidos pela pausa

Então é mais uma segunda e você precisa ir trabalhar. Sempre naquele ônibus cheio de gente, os iguais, nem melhores ou piores, apenas estão ali como poderiam estar aqui, lá em Caruaru, Nova Iorque, Paris, São Paulo.

Melhor seria ser filho da Xuxa (nossa, isso soa quase como xingamento!), ou ter nascido irmão da Sasha, a filha da Xuxa (ainda parece xingamento …), xingamento, shingamento; não importa o lugar ou a forma de dizer, atualmente, no mundo, não há lugar pra sermos.

Se a condução está cheia de trabalhadores, políticos corruptos, advogados que advogam em causa própria, o que fazer quando te chamam descaradamente de filho da Xuxa? De bom gosto mesmo é ser chamado de filho de Gisele Bündchen. A Gisele é bem mais bonita, não possui os atributos que tornam a Xuxa uma especie de desenho animado que se tornou humano. A Xuxa, se você olhar bem, parece aquelas bonecas de plástico, ela parece também um bebê crescido. Gisele não. Gisele é mulher que a natureza fez sem tirar nem por, sem excessos, nem exagerar.

Agora pensem nas filhas de Xuxa e Gisele: elas nunca precisarão pensar em previdência, limites do cartão de crédito, da matemática, enfim, a Teoria da Relatividade não parece ser aplicável a milionários e afins. Não precisarão pensar em SUS, BOPE, eleições, pegar ônibus cheio, fila de banco, cinema, autógrafos, injeção, hot dog, das portas do céu, a lista é grande! E, nem falei ainda (nem vou falar dos filhos dos netos da rainha da inglaterra, que aqui escrevo gostosamente em letras minúsculas, porque pra mim, essas pessoas não possuem nenhuma importância na minha vida), nem vou falar e ponto.

O que conduz a gente é generoso por atiçar nossa personalidade e inteligência. As dúvidas são o nosso combustível. Se há respostas, há mais perguntas. Se há mais cosas entre o céu e a terra, há mais anda entre o céu e o inferno, entre o céu e outros céus.

Aqui não é o mundo das ideias, aqui é o mundo do erro e do aprendizado. Se toda riqueza do mundo fosse distribuída igualmente pra cada ser humano, em questão de semanas todas as desigualdades sociais voltariam ao normal, foi o que li em algum lugar.

O importante? Ah, sim, claro, a arte. A arte é a virgula que pausa toda frase produzida pelas ciências.

A imagem pode conter: 2 pessoas

Imagem: Gabriel Trópz

Que bom que Temos problemas

Então é aquela segunda com cara de domingo pela manhã, com chuva, cheiro de café fresquinho, frango frito e tudo isso ao meio-dia, claro, se já são meio-dia você já pode acordar e almoçar, pelo menos, mas saiba que está atrasado pra chegar atrasado no expediente da tarde no trabalho, que começa pela manhã as 8:00 horas, só que o sono foi bom, hein? Parece que toda segunda tem a mesma cara, não é mesmo?

Ah, o mundo moderno. Ainda não entenderam, comunistas e capitalistas, que o progresso é obsoleto.

***

32294508_1777990202261724_8896687006025777152_nComo aproveitar nosso tempo? Organização? Planejamento? Fazendo metas diárias sempre ao acordar pela manhã? Na na ni na não, caro jovem.

Pra aproveitar nosso dia é necessário notar que nem tudo é perfeito:

  • Jogar na Mega Sena da virada e acertar jogando os números: 01, 02, 18, 22, 31, 45, 58 e por aí vai. Dias se passam e o resultado sai: 00, 03, 19, 23, 32, 46 e 57. Exatamente os números que você não jogou.
  • O primeiro encontro com a sua/seu namorado/namorada: nossa estou tão feliz em te ver aqui … (duas horas depois …) Acho que é isso, te vejo amanhã? O encontro se resumiu a um olhar pro outro, conversando as mesmas coisas de sempre (quase um casamento), mas o que eles queriam mesmo era, bem, não fizeram, reprimiram por medo seus sentimentos.
  • Finalmente, o temido, mas nem por isso mesmo impossível, o vestibular/ENEM/concurso público/pagamento de boleto: inicia bem até que faltam poucos dias pra “coisa” acontecer. O resumo da ópera: não estudou, pois desperdiçou tempo; não pagou as contas, pois gastou tudo indo pra Cancún no meio do mês que tem 64 dias e toda sua grana se foi.

Como resolver tudo isso? Simples. Não tenha problemas. Tudo na vida tem dois lados. O problema é que todos focam justamente no lado ruim. Resumindo, pra encerrar de vez o assunto, é que se você tem um problema, então você tem uma solução, agora, se você, meu amigo, minha amiga, tem uma solução, então o que você tem é problema mesmo! Essa é a graça da vida, não há ninguém que não tenha problema nesse nosso mundo, cara pálida. Os problemas são aquilo que possuem poder pra que encontremos a nossa força interna pra que os solucionemos. Enfim, viver é um problema e a nossa  vida é a solução.

Abissal

Começar a escrever é como existir em vários lugares ao mesmo tempo. Nunca estive em tantos lugares quanto aquele, e só aquele livro bom, pode me levar. Pode ser o coração, a razão, só um breve pensamento … A verdade, é ela, que não me sai da cabeça, sigo em sua busca sem alcançar, nem palpar nada … Apenas sinto o progresso lento de alguém a meditar sob o topo do Kilimanjaro sob o topo do Himalaia e a imaginar saltar dessas alturas e sentir a sensação real de voar e aterrissar num jardim edênico cheio de maravilhas.

O perfume das flores emanado cada vez que penso, as aquarelas siderais de estrelas, o raio energético correndo nas veias luminosas d’alma como o prisma que transfere suas cores n’água e sem contar já sei serem sete as cores de beleza pura e natural. Sete vezes eu poderia criar o big bang, a criação, mas nunca poderia criar a revelação no olhar como tampouco o sentir estar, bem como o não estar sentindo, o existir por pensar e o pensar por existir.

Nós não existimos, emanamos essências do momento inicial. Assim a vida é uma explosão, o coração repete, bombeando nosso sangue, o momento da criação. A criação pulsa em nós. Só, nem mesmo assim sinto solidão. Acompanhado, me sinto só, por saber  que por vezes estou próximo daqueles que estão como antenas a transmitir mensagens para si; em cada mente e coração humanos vibram frequências tão mais subterrâneas quanto as lavas de vulcões ou as mais profundas regiões desconhecidas do nosso planeta Terra.

Imagem de Bali, Indonesia, by Bernard Hermant on Unsplash.

Nadar com outra força

Vencer desafios, superar medos, ou apenas desabafar com palavras as ideias que querem sair pra fora. Seja qual for o motivo que te inspira, use com intensidade máxima.

Hoje o blogue Fanzine Marginal completa 1 ano. Aqui coloco as imagens como forma de soltar as minhas ideias. Talvez a maioria nem ligue pro que eu escreva e só olhem rapidamente as imagens, mas ainda assim eu me jogo.

Há quem me chame (eu, o autor do blogue) de Franzine, e aqueles que fazem maravilhosas resenhas em seus blogues, só  não posso falar muito dos que acompanham o blogue por falta de comentários por aqui. Enfim, aqui falo do que gosto e falo do que eu quiser.

Muito obrigado a todos que curtem o Fanzine Marginal. Aqui o lema é “onde há regras, devemos recriá-las e fazermos as devidas alterações”. Por exemplo, A Constituição brasileira é um conto de fadas e o livro que conta a história de Pinóquio poderia ter se baseado na vida real por narrar a fabula da vida política brasileira.

***

Se presenteie. Crie mecanismos pra presentear sua produtividade. Isso pode te tornar mais produtivo e independente.

 

Nós somos luz. Devemos brilhar com as nossas ideias.

Somos um templo sagrado feito por amor. Enquanto muitos dizem morrer de amor, em outras regiões umbralinas, onde muitos gritam durante o período que estão na erraticidade, “pelo amor de deus, eu quero nascer”.

Ainda vivemos num mundo que só valoriza a competição por não percebermos que todos são vitoriosos.

Devemos nadar com força, mas com outra corrente, a do amor. Cada elo faz parte dessa correnteza. Devemos nadar contra a força pra alcançarmos o seu lado humano. Sem Guerra nas Estrelas ou Mágico de Oz, o importante é que o homem de lata saiba que o robô faz parte de um mesmo sonho, de uma mesma hipótese, que é a de tornar um mundo possível segundo uma narrativa.

Entre aquarelas, muitos gizes de cera, giz de sonhos e grafites de amor, de mina infinita, tento escrever o que não consigo tornar imagem. Seja um pensamento de Virginia Woolf, Clarice Lispector, Luiz de Camões, Castro Alves, Platão, Sócrates e muitos outros que possuem a ideia de Literatura com L maiúscula,  que é também o L da Liberdade, que rima com felicidade, que me faz querer citar Spinoza e Izaac Newton, assim, o que pretendo é criar um novo material pra dizer o indizível e, pra isso é preciso certa dose de sensibilidade e nervos de aço.

Até brinco pensando em aconselhar as pessoas a não fazerem o que faço é só pra profissionais, eu diria. Mas me perguntariam “e a liberdade de expressão, Rômulo?” Eu responderia: ora,  ela é tão livre que ainda não encontrou idioma mais eficaz do que a imagem; igual a ela só a matemática, a música e o amor.

Ouvir Estrelas

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo,
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite,
enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo? ”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e e de entender estrelas”.

 Poema de Olavo Bilac.
Pra mim a imagem fala, entoa sublimes cânticos e paira ante o caos reordenando-o e ampliando aspectos e emoções que ainda nem conhecemos.
Permita que pensamentos novos aconteçam.
Reserve um tempo pra refletir e multiplicar-se.
Viva as suas ideias e anote-as.
Lembre-se que a maré da vida sempre traz aquilo que você fez ou que você ainda faz.
Um ano de muita arte, reflexões e bons sentimentos a todos!
Capturar

A trama esmaecida da memória

A ilustradora Juliana Rabelo é uma das minhas ilustradoras preferidas e hoje vou falar com minhas palavras, de acordo com cada figura usada na entrevista que ela participou para o saite Inspirarte.

Resumindo falarei de algumas ilustrações dela me baseando nos sentimentos que eles despertam em mim.

Na imagem logo abaixo vemos uma menina voando num avião de papel, vários pássaros estão ao seu redor acompanhando um voo que, se não for um voo dentro de outro, pelo menos sabemos que a arte é a representação do real e do plenamente possível.

Repare: um avião de papel representado no papel; uma menina, que sabemos que são de carne e osso, mas na arte o que parece sobressair  é o aspecto de um mundo interior, o mundo das ideias, sensações e associações de ideias com outras sensações, cores sons e que criam o fantástico na arte. A menina sem roupa pode representar a liberdade. Estar livre é estarmos nus de tudo que pode nos aprisionar.

learning to fly. watercolour + coloured pencil + paper Juliana Rabelo © 2017. All rights reserved.

Quem nunca se encantou, quando criança, com coisas de criança? O que seriam coisas de criança? Seriam as suas ideias e concepções de um mundo onde tudo é colorido, todos se amam e unicórnios vendem suas próprias boias de nadar em piscina. A da figura abaixo foi comprada pela Julia na loja Uni & Córnio por dois arco-iris (arco-iris é a moeda dos unicórnios) e é muito barato! Saibam que dois arco-iris são equivalentes a dez dólares ou trinta e três reais e vinte e oito centavos.

Aquarelinha para testar as tintas da Pestilento!

As vezes criamos um mundo só nosso e que somente nós sabemos onde fica. Você já se perguntou se realmente está no lugar certo?

e haja pulmão, e haja coragem. Juliana Rabelo © 2017. All rights reserved.

Nosso coração é uma selva tropical de beleza rara. A chave pra acessar esse lugar se adapta conforme ele se transforma com cada aprendizado que experimenta.

I recently watched The Secret Garden and I got completely inspired to do a fan art. :) Juliana Rabelo © 2017. All rights reserved.

As vezes … As vezes alguém vai e algo fica. Certas permanências doem tanto por parecerem desnecessárias. Mas são nos detalhes, que o nosso coração sabe guardar, onde moram nossos amores.

Pequena HQ que fiz em homenagem a minha amiga Jess. ♥ Juliana Rabelo © 2016. All rights reserved.

Pense que o próprio objeto já é meio caminho pra alcançar a inspiração total.

Cada ramificação esmaecida da aquarela, cada fio solto da trama do bordado, cada dor que guardamos parecem não fazer parte de nós como um texto bem escrito, mas com algumas ideias soltas.

Segundo Juliana Rabelo:

Tradição é costume, que é também algo que se faz repetidas vezes, como a linha que se finda e renasce no olho da agulha, sobe e desce no entrelaçado das fibras, revivendo cultura, honrando a memória de minha bisavó nas entrelinhas, fazendo nascer as linhas que ligam vidas passadas ao momento presente, as linhas que saltam aos olhos no tecido ou no papel.

A memória é seletiva porque guarda aquilo necessário e que nos faz bem. É uma parceria entre o que somos e o que devemos guardar pra sabermos quem somos.

De mãe pra filha e de avó pra neta a tradição é transmitida. Cada cor faz parte de uma família e essa família de cores encontramos no azul do céu, no vermelho do sangue e no verde das florestas. A paz poderia ser representada pela leveza fofa da nuvens … A natureza é a nossa mãe que cuida e nos castiga.

Mas por qual motivo usar a palavra esmaecida? Esmaecida não significa que somos fracos, de ideias rasas e desbotadas, mas que somos leves e fazemos parte de uma raiz forte que é a arvore da vida, vida que nossa mãe terra nos dá na forma de luz e a luz a mistura de todas as cores. Portanto, somos esmaecidos porque o que nos define é suave, colorido e fértil como a imaginação do maior artista de todos os tempos que é deus.

Sweet love.

Na ilustração a seguir, pensei na ideia de que até mesmo nossos medos também nos temem talvez por saberem que cedo ou tarde serão vencidos.

Sermos amados é tão bom. Ainda mais quando nos dão seus corações!

 

 

A arte numa palavra: amor.

 

 

A arte numa frase: eu represento o amor.

 

View this post on Instagram

essa semana que passou foi muito pesada pra quem tá minimamente atento no Brasil. Aqui em Fortaleza, onde estão minhas raízes, o clima ainda está denso. Sigo me questionando como eu, simples artista, posso fazer minha parte pra transformar essa realidade em outra coisa melhor, mas essas perguntas não têm respostas rápidas. Em conversas com amigos e na terapia (façam terapia), surgem pequenas medidas que podemos tomar para juntarmos nossos caquinhos nesse primeiro momento: falar sobre isso e estar perto dos seus. Com meus passos miúdos de formiguinha, sigo tentando oferecer por aqui pequenas dosagens de sensibilidade e delicadeza, porque a gente nunca sabe a potência que pode ter um desenho pequenininho. Aqui está o meu, que é o coração aberto, inquieto, tentando falar. Sigamos em frente desenhando, colorindo, fazendo o nosso pouquinho. Em frente.

A post shared by juliana rabelo ♥ illustration (@julianarabelo.art) on

Juliana Rabelo é ilustradora, tem 26 anos e mora em Fortaleza. Formada em Design de Moda pela Universidade Federal do Ceará, já fez trabalhos em parceria com a Maurício de Sousa Produções, Marisa, Editora Record e Faber-Castell. Atualmente, é professora de aquarela no Estúdio Daniel Brandão.

Ilustrações: Juliana Rabelo

Textos que acompanham as ilustrações: Blog Fanzine Marginal (Rômulo Pessanha)